domingo, 22 de julio de 2007

TESTAMENTO PARA O DIA CLARO


Quando do fundo da noite vier o eco da última palavra submissa
E a patina do tempo cobrir a moldura do herói derradeiro,
Quando o fumo do último ovo de cianeto
Se dissipar na atmosfera de gases rarefeitos
E a chama da vela da esperança
Se acender em sol na madrugada do novo dia

Quando só restar na franja da memória
Lapidada pelo buril dos tempos ácidos
A estria da amargura inconsequente
E a palavra da boca dos profetas
Não ricochetear no muro do concreto
Da negrura sem fundo de um poço submerso
Sejais vós ao menos infância renovada da minha vida
A colher uma a uma as pétalas dispersas
Da grinalda dos sonhos interditos.

Arnaldo França (poeta cabo verdiano)

14 comentarios:

avelaneiraflorida dijo...

Cada vez admiro mais esta poesia que ainda não tinha o prazer de conhecer...

Que palavras, que sentimentos...
e a paisagem escolhida não podia ser a melhor...

"BRigados" querida EMA, por este post!!!!!

Ema Pires dijo...

Obrigada querida Aveleneira, pela visita, pelo teu bonito comentário e pela amizade.
Beijinhos

Mário Margaride dijo...

Olá Ema,

Belíssimo este poema!

Uma agradável surpresa, este poeta cabo verdeano, (Arnaldo França).

Poesia de grande qualidade!

Beijinhos querida amiga

Mário Margaride dijo...

Olá, Ema.

Agradável surpresa, este nosso poeta cabo verdeano (Arnaldo França).

Muito belo este poema!
Gostei muito da perspectiva, como ele vê a sua infancia renascer em cada dia.

Belíssimo poema!

Beijinhos, querida amiga

Vieira Calado dijo...

Belo poema, cheio de actualidade!

Joana DÁrc dijo...

que bonito amiga. Obrigado por mostrares poemas africanos com a lindeza que este tem.
beijinhos

gasolina dijo...

Mais uma vez, ía jurar que já tinha deixado aqui um comment...

Não faz mal.

Pois se é para dizer o quanto me encantam estes teus ilustres desconhecidos.

Obrigado, só tenho que agradecer por esta riqueza.

Um beijo, Amiga de Fogo

Rhiannon dijo...

Sim, belíssimo poema. Não conhecia.
A Cesária acompanha-o muito bem :)

Ema Pires dijo...

Aigo Vieira Calado,
Obrigada por visitar o meu mail. O seu é uma maravilha e vou fazer um link aqui no meu.
Abraço

Ema Pires dijo...

Olá Joana,
obrigada pela visita. Já irei postando mais escritos de poetas africanos.
Bjos.

Ema Pires dijo...

Olá amiga gasolina,
Pois parece que algumas vezes as tuas mensagens desaparecem, será que se queimam com tanto fogo?
Beijinhos querida amiga

Ema Pires dijo...

Amiga rhiannon,
Obrigada pela visita. Como pode ver o meu blogue está muito dedicado a postar coisas que têm que ver com África, a sua cultura e a sua música.
Beijinhos

papagueno dijo...

Lindo poema, não conhecia.
E que bela música da grande Cesária.
beijinhos

Ema Pires dijo...

Obrigada pela visita.
Tenho problemas hoje com o blogue.Nao sei o que fiz e desapareceram os links, tenho que ver onde meti a pata e nao devia.
Beijinhos