domingo, 27 de abril de 2008

Reinos africanos: Etiopia e Lalibela

Etiópia foi o berço da humanidade e alberga a primeira casa de pedra do mundo. Foi na Etiópia que se desenvolveu uma das mais antigas civilizações, foi aí que parece ter vivido a rainha de Saba, aí estão também os obeliscos mais altos do mundo,... Isto é, uma história de 12.000 anos de existência.


Uma das tribos do norte, o povo Kouchita, deu a XXVº dinastia ao Egipto. Durante os reinados dos imperadores kouchiticos a Æthiopia de antes incluía as quatro cidades antigas: Nabata nas fronteiras do Egipto faraónico, Meroé, Axoum e finalmente Mareb no actual Iémen. Deu ao Egipto a XXVº dinastia que restabeleceu a arte egípcia em toda a sua pureza, uma cultura que foi corrompida pela ocupação Hitita.

Os laços entre Egipto e Etiópia remontam à vigésima segunda dinastia dos faraós do Egipto, e a partir do reinado de Piânkhy, faraó da XXV dinastia, por vezes os dois países estavam sob uma mesma autoridade: a capital destes dois impérios estava então situada no norte do Sudão, em Napata. Os primeiros registos da actividade etíope vêm dos comerciantes egípcios, em 3000 a. J.C. referindo-se ao País de Pount "Ta Neterou", que significava a Terra dos Deuses e que consideravam como sendo a terra das suas origens.


A Bíblia menciona Episódios da História etíope que datam de 1000 a-J.C. Segundo essas fontes, o primeiro imperador de Etiópia seria Menelik, filho da rainha de Saba e do Rei Salomão.


O primeiro verdadeiro império de grande potência aparecido na Etiópia, foi o de Axoum, no século I.

O que caracteriza incontestavelmente este império é a prática da escrita. Este alfabeto específico chamado Ge'ez, vai ser modificado depois, com a introdução de vogais, tornando-se alfa silabário. Por outro lado, os obeliscos gigantes que marcam as tumbas (câmaras subterrâneas) dos reis e dos nobres são as mais famosas marcas do reino.



Segundo a tradição local, os primeiros Etíopes eram judeus, os Falachas, cujos últimos membros acabaram por emigrar para Israel em 1980.

O cristianismo foi introduzido no reino de Axoum pela Igreja egípcia copta no século VI.

As treze igrejas da cidade de Lalibela foram escavadas na pedra a ambos os lados do rio Jordão e comunicadas com túneis e passadiços.



Lalibela é um encontro com o passado e com as origens do cristianismo, numa época em que os ritos cristãos, muçulmanos e judeus ainda se confundiam. Estas igrejas foram construídas para baixo, talhadas na própria pedra da montanha. Foi uma estratégia perfeita para passarem desapercebidas perante as invasões de grupos islamitas.



Até hoje, este país é uma das únicas nações do mundo que nunca esteve colonizada desde que apareceu o homem na terra. A maior ocupação foi feita pelos Italianos que durante quatro anos intentaram submeter o território.

Desde a antiguidade, os habitantes desta região tiveram que repelir os assaltos dos Egípcios, Bantus, Garamentes, Hittites, Romanos, Espanhóis, Jesuítas, Portugueses, Ingleses, Turcos, Árabes, Italianos, Soviéticos, Cubanos, Eritreus, Somalis, e hoje os Islamitas.

Doze mil anos de guerra! É um caso único no mundo.

Esperemos que encontre finalmente a PAZ.




9 comentarios:

ANTONIO DELGADO dijo...

Ola Ema,

Linda texto sobre a Africa que tu tanto adoras e a sua remota história tão desconhecida de todos nós. Os etiopes dominaram o Egipto e com eles o egipto prosperou muito. A rainha de Sabaa, que todavia parece que é uma incognita,era mais bonita que a nefertite segundo alguns historiadores...gostei muito da musica ela ilustra bem o teu refinado gosto pela arte.

Um beijo
António

Ema Pires dijo...

Muito obrigada António pela visita e pelas tuas amáveis palavras. Efectivamente, gosto da África e da sua cultura tao desconhecida. Desejo com este blogue que as pessoas que me lêem saibam um bocadinho mais sobre este continente.
Beijinhos

papagueno dijo...

Será que alguma vez vai haver paz, seja em África, Europa, ásia ou qualquer outro lugar do mundo?

Carilisve dijo...

¡Hola Ema!
Gracias por ese aporte que le ofreces a esa historia oculta y desconocida, especialmente en el mundo occidental.
Besos

Ema Pires dijo...

Amigo Papagueno,
Obrigadapela visita.
Essa é a grante pergunta, quando vai haver paz enquanto tudo esteja baseado no dinheiro e no lucro; é só ver o que está a passar com os Jogos Olimpicos em China, um país que nao tem nenhum respeito pelos direitos humanos, mas tem poder económico. Os seres humanos nao contam para nada. E todos nós assistimos e nao podemos fazer nada para o evitar.
Beijinhos

Ema Pires dijo...

Hola Carilisve,
Gracias por tu amable visita. Espero que te haya gustado esta pequeña y humilde aportación. Seguiré publicando más cosas sobre este continente en mi blog.
Un abrazo

gasolina dijo...

Fotos espantosas a acompanharem dados fantásticos!
E as palavras? E as vogais?
Aqui sempre aprendo!
Obrigado!

Um beijo Amiga de Fogo!!!

PS.: Não trouxeste a bicicleta?

Ema Pires dijo...

Olá querida amiga de Fogo, também,
Obrigada pela visita. Já vês, como se diz em Espanhol: Cada loco con su tema. Eu o meu tema é África.
Nao levo a bicicleta.
Beijinhos para ti

SONIA LAGE dijo...

Olá amada, parece que conheces bem Etiópia, como está hoje a situação da Etiópia? e como faço pra saber a minha ascendência africana? de qual país e lugar? no mais gostei da informações sobre este país.